Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário - Pirenópolis

Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário – Pirenópolis


Venha descobrir e apreciar as maravilhas que esta linda cidade pode mostrar!

Pirenópolis, carinhosamente chamada de Piri por seus moradores e visitantes, está a apenas 150 km de Brasília e 120 km de Goiânia, com acesso por ótimas estradas. Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – guarda os encantos da vida do interior e convida seus visitantes a conhecer e interagir com suas construções coloniais e fazendas, com sua rica e farta gastronomia, com seus santuários ecológicos e com sua gente cordial e hospitaleira. Seus visitantes são surpreendidos por serviços turísticos de alta qualidade e por iniciativas culturais, ambientais e sociais que fervilham entre moradores – novos e antigos – que brindam a diversidade, qualidade de vida e contribuem para conservação do Cerrado.

Pirenópolis tem um charme irresistível e conseguiu uma posição privilegiada ao desenvolver turismo de qualidade com entretenimento diversificado. Aqui convivem harmoniosamente manifestações tradicionais como a Festa do Divino e Cavalhadas e as mais vanguardistas propostas de vida sustentável.
As charmosas e aconchegantes pousadas de Pirenópolis oferecem serviços de nível internacional sem perder a tradicional hospitalidade da região.

Seus eventos já estão consolidados no circuito cultural, como o Festival Gastronômico, Festival de Fotografia e Festival de Jazz. Além disso, seus espaços para congressos, convenções e encontros empresariais atendem às necessidades de eventos dos mais variados portes, complementados por serviços de ótima qualidade.

O turismo de natureza tem destaque por suas cachoeiras incríveis que ajudam a compor um cenário que oferece opções de turismo de sol e praia em pleno interior do Brasil, além de inesquecíveis e seguras atividades de turismo de aventura, acessíveis a visitantes de todas as idades.

A gastronomia é um espetáculo a parte, pois aqui a farta e tradicional culinária goiana está lado a lado com as mais novas tendências da gastronomia nacional e internacional, revelando a experiência e a criatividade dos inúmeros chefs que encantam seus visitantes com pratos saborosos e inovadores.

Considerada o berço da cultura goiana, Pirenópolis inspira artistas e artesãos locais e atrai talentos consagrados que buscam contato com a natureza e qualidade de vida para desenvolver seus trabalhos. O resultado são artesanatos autênticos, de primeira qualidade, como jóias de prata, peças de cerâmica artesanal, tecelagem, peças de madeira, máscaras, etc.

Este catálogo apresenta os melhores serviços turísticos disponíveis, bem como a riqueza natural e diversidade cultural que tornam Pirenópolis um local único e um destino de excelente qualidade. Consulte as informações do catálogo e entre em contato com nossos parceiros para organizar sua visita.
Você é muito bem vindo a Piri.

Alessandra Schneider


História


Pirenópolis é um município histórico, sendo um dos primeiros do estado de Goiás, fundada com o nome de Minas de Nossa Senhora do Rosário Meia Ponte pelo português minerador Manoel Rodrigues Tomar.

As minas foram descobertas pelo bandeirante Amaro Leite, porém foi entregue aos portugueses por Urbano do Couto Menezes, companheiro de Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhanguera Filho, na primeira metade do século XVIII.

Segundo a tradição local, o arraial foi fundado em 7 de outubro de 1727, porém não há documentos comprobatórios e muitos historiadores e cronistas antigos afirmam ser a fundação em 1731.

Foi importante centro urbano dos séculos XVIII e XIX, com mineração de ouro, comércio e agricultura, em especial a produção de algodão para exportação no século XIX.

Ainda no século XIX, com o nome de cidade de Meia Ponte, destacou-se como o berço da música goiana, graça ao surgimento de grandes maestros, bem como berço da imprensa em Goiás, já que ali nasceu o primeiro jornal do Centro Oeste, denominado Matutina Meiapontense.

Em 1890, mudou seu nome para Pirenópolis, o município dos Pireneus, nome dado a serra que a circunda. Ficou isolada durante grande parte do século XX e redescoberta da década de 1970, com a vinda da capital Brasília para o Centro Oeste. Hoje, é famosa pelo turismo e pela produção do quartzito, a Pedra de Pirenópolis.